Cotidiano
 
Ex-prefeito de Uiramutã e servidores são presos pela Polícia Civil
Investigação durou cerca de um mês. Atual prefeito, Manuel da Silva Araújo, o Dedel denunciou a falta de documentos, móveis e outros objetos na prefeitura e representação
 
Por - Redação I 25/01/2017 - 15:13 -
———————————————————————————————————————————
Fotos: Divulgação
Participaram da operação 14 delegados, 65 agentes e sete escrivães
Na madrugada de terça-feira (24) foi deflagrada a operação batizada como “Jatevu” - Carrapato - na língua Tupi-Guarani, com o objetivo de dar cumprimento a mandados de prisão preventiva e condução coercitiva, além de busca e apreensão nos municípios de Boa Vista, Alto Alegre, Pacaraima e Uiramutã. Participaram da operação 14 delegados, 65 agentes e sete escrivães.

Foram presos o ex-prefeito de Pacaraima, Eliesio Cavalcante de Lima e outros oito servidores do município.

A investigação durou cerca de um mês e iniciou após o atual prefeito, Manuel da Silva Araújo, o Dedel (PP), registrar boletim de ocorrência na delegacia de Pacaraima (responsável pela circunscrição que envolve aquele município) relatando que, ao assumir o cargo, percebeu a falta de documentos, móveis, entre outros objetos, nos dois locais.

A partir da denúncia, a delegada geral Edinéia Santos Chagas, determinou uma força tarefa para investigar o caso, tendo como integrantes a delegada Simone Arruda, titular da delegacia de Pacaraima e a delegada Magnólia Soares, titular da Delegacia de Repressão a Crimes contra a Administração Pública - Drcap.

Durante as investigações as delegadas tiveram acesso a imagens da câmera de segurança da representação, localizada no município de Boa Vista. As imagens mostraram que no dia 29 de dezembro do ano passado, funcionários retiraram diversos documentos do local.

Ficou comprovada também a ausência de documentos, inclusive processos licitatórios, do período compreendido entre 2008 e 2016, durante os dois mandados do ex-prefeito Eliesio Cavalcante de Lima.

Após a identificação de todos os envolvidos e diante dos fatos apurados, foram solicitados nove mandados de prisão preventiva, onze de condução coercitiva e vinte de busca e apreensão, deferidos pelo Juizado da Comarca de Pacaraima.

Entre os materiais apreendidos estão impressoras, computadores, centrais de ar, materiais esportivos, móveis, geladeiras, celulares, veículos, além de diversos documentos, entre eles processos licitatórios, que ainda serão analisados, podendo haver outros desdobramentos na investigação.

Os bens apreendidos serão devolvidos à prefeitura e os envolvidos responderão por peculato furto, que é o furto praticado valendo-se da qualidade de funcionário público para realizar a subtração.

“É uma forma de mostrar em trabalho conjunto com o judiciário e o Ministério Público, que o mal gestor precisa aprender que ele faz uso do patrimônio temporariamente, mas o patrimônio é público, não é dele”, concluiu a delegada geral, Edinéia Chagas.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas