Cotidiano
 
Imigrantes venezuelanos são vacinados no Centro de Referência
Atendimentos são realizados no Centro de Referência ao Imigrante, criado para atender estrangeiros em situação de vulnerabilidade socioeconômica
 
Por - Redação I 06/12/2016 - 18:45 -
———————————————————————————————————————————
Fotos: Neto Figueredo
A imunização é a maneira mais eficaz de se evitar diversas doenças
O Centro de Referência ao Imigrante ganhou reforço no atendimento em saúde disponibilizado aos estrangeiros e passou a ofertar, a partir desta terça-feira, dia 6, vacinas para prevenção de doenças, como tétano, rubéola e coqueluche. Criado para ajudar os refugiados venezuelanos que vivem no Estado, o Centro também disponibiliza atendimentos médicos, odontológicos, alimentação e atividades recreativa para as crianças de forma gratuita.

Conforme informou o gerente do Núcleo Estadual do Programa Nacional de Imunização (NEPNI), Rodrigo Danin, a quantidade de vacinas aplicadas vai depender da demanda de cada dia. "Estamos observando o fluxo do local para nos adaptarmos ao atendimento aos venezuelanos. Mas todos os adultos e crianças que chegarem à Unidade serão beneficiados", frisou.

Danin ressaltou que a disponibilização das doses faz parte das ações de assistência aos imigrantes venezuelanos e que a Sesau (Secretaria Estadual de Saúde) disponibilizou ainda dois enfermeiros para aplicarem as doses. "Trata-se de um trabalho em conjunto, com o apoio do município de Boa Vista, para que o serviço seja prestado da melhor maneira possível às pessoas que precisam de atenção nesse momento delicado pelo qual passa o país vizinho", disse.

CENTRO DE REFERÊNCIA

O Centro de Referência ao Imigrante foi criado a partir do monitoramento do processo migratório, período em que mais de dois mil imigrantes venezuelanos foram cadastrados por agentes da Defesa Civil e demais órgãos do Estado. O Centro é gerenciado pelo GIGM (Gabinete Integrado de Gestão Migratória) e funciona como ponto de apoio aos imigrantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Instalado provisoriamente na sede do Sintracomo (Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil e do Mobiliário), na Avenida Surumu, 1976, bairro São Vicente, o Centro recebeu 133 venezuelanos somente no primeiro dia de funcionamento e tem a Sesau como parceira das atividades.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas