Política
 
Deputados derrubam veto governamental e aprovam Projeto Bolsa Universitária
A matéria segue agora para promulgação no Diário Oficial da Assembleia pelo presidente do Legislativo, Jalser Renier (PSDC)
 
Por - Redação I 30/08/2016 - 18:44 -
———————————————————————————————————————————
Fotos: Divulgação
O veto governamental foi derrubado após o pronunciamento do deputado Mozart, que defendeu a constitucionalidade de sua proposta
Aprovado por unanimidade em dois turnos na Assembleia Legislativa de Roraima e vetado pelo Governo do Estado, o projeto de lei complementar autorizativo do deputado estadual Chico Mozart (PRP), que altera a bolsa de estudo universitária, foi aprovado em plenário na sessão desta quarta-feira (30). A matéria segue agora para promulgação no Diário Oficial da Assembleia pelo presidente do Legislativo, Jalser Renier (PSDC).

Por 13 votos a favor, o veto governamental foi derrubado após o pronunciamento do deputado Mozart, que defendeu a constitucionalidade de sua proposta. “Trata-se de uma vitória do parlamento. É possível o Governo utilizar recursos sem afetar o contribuinte e a prestação de serviços da população”, ressaltou.

O projeto Bolsa Universitária consiste em oferecer bolsas de estudos aos alunos universitários comprovadamente sem condições de bancar uma universidade particular. Atualmente, o Estado tem em andamento apenas 15 bolsas universitárias para população de baixa renda.

Estudantes carentes podem comemorar o benefício. Pela nova proposta, anualmente haverá a seleção de beneficiados para concorrer às bolsas universitárias ofertadas e 5% destas vagas serão destinadas às pessoas com mais de 60 anos. O parlamentar ressalta que o aumento reflete a necessidade em oferecer um programa para idosos que queiram ingressar à universidade e não tiveram a oportunidade de alcançar o ensino superior quando jovens.

“Educação é interesse público primário. Além de ajudar jovens e idosos, o Estado ganha com a melhoria da formação profissional. Destinar verbas para a educação não é gasto, é investimento.”, lembrou.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas