Diversão e Arte
 
Cineasta Thiago Briglia lança curta ‘Fronteira em Combustão’ na próxima quarta-feira
A exibição será durante a abertura da Mostra de Cinema Universitário: Saberes Amazônicos, às 18h30, no Centro Amazônico de Fronteira (CAF) da Universidade Federal de Roraima
 
Por - Redação I 10/06/2016 - 18:57 -
———————————————————————————————————————————
Fotos: Divulgação
O filme tem duração de 20 minutos e foi produzido por meio do Programa Amazônia Cultural, do Ministério da Cultura do Governo Federal
O cineasta roraimense Thiago Chaves Briglia realizará, na próxima quarta-feira (15), a pré-estreia do curta-metragem Fronteira em Combustão. Dirigido e roteirizado por Briglia, o filme tem duração de 20 minutos e foi produzido por meio do Programa Amazônia Cultural, do Ministério da Cultura do Governo Federal.

A exibição será durante a abertura da Mostra de Cinema Universitário: Saberes Amazônicos, às 18h30, no Centro Amazônico de Fronteira (CAF) da Universidade Federal de Roraima. O evento vai até o dia 17 de junho, com exibição de filmes nacionais, debates com produtores de cinema e sorteios.

Fronteira em Combustão foi gravado em Boa Vista, na BR-174 sentido Norte e na fronteira do Brasil com a Venezuela, na cidade de Pacaraima-RR. O elenco principal é formado por Anderson Souza (como Gilberto), Bebeco Pojucan (Riba), Silvana Lins (Cáudia) e Gustavo Brenner (Davi).

O filme conta a história de Gilberto, um pai de família que está desempregado e recebe o convite do vizinho Riba para “puxar” gasolina da Venezuela. Conforme o cineasta, o tema surgiu como a proposta de ser um documentário. “Minha veia jornalística falava alto e me instigou a procurar saber mais sobre o contexto, aprofundando-me no tema e conhecendo a complexidade dele. Então percebi que seria mais interessante construir essa narrativa com elementos da ficção, mesmo tratando de um tema real”, lembra.

“É um tema que faz parte da nossa sociedade e ao mesmo tempo é tratado de forma de forma velada, está à margem, e talvez nem a gente tenha aprofundado. A gente simplesmente acompanha um caso específico de uma família que de alguma forma precisa desse ganha pão para sobreviver”, destaca Thiago Briglia.

Anderson Souza, que protagoniza o filme no papel de Gilberto, ressalta a sensibilidade da equipe técnica do filme. “Trabalhar com o Thiago foi uma descoberta. Percebi uma sensibilidade nele e um carinho muito grande conosco, os atores, que também veio todas as outras direções: preparação de elenco, arte, produção”, revela o ator que tem 20 anos de experiência. “Foi muito bom, por mim trabalharia o resto da minha vida com a equipe”, brinca.

Souza também destacou o trabalho prévio que foi feito com os atores, de preparação de elenco. “Foram muito importante as atividades de reconhecimento do personagem e, principalmente, do espaço geográfico, que no filme é um elemento muito importante, praticamente um outro personagem composto pela Amazônia, pela fronteira e pela a BR”, diz.

Para o papel de Cláudia, o diretor convidou a atriz Silvana Lins, de São Paulo. “O convite já foi uma aventura particular. Eu não fazia ideia do que esperar. Nunca tinha feito nenhuma pesquisa sobre a região, nunca tinha me dado conta verdadeiramente, até esse momento, da dimensão do Brasil. Esperava um lugar pacato, sem estrutura e sem anseios. Encontrei um lugar encantador, cheio de histórias, construídas por uma galera cheia de lutas particulares que precisam ser travadas apenas por elas porque o resto do país nunca ouviu falar. Vivi coisas encantadoras como ver, nem que seja um pouquinho, a luta para manter viva a cultura local, os ‘hinos populares’ cantados com lágrimas nos olhos e sorriso no rosto e a gana de fazer, custe o que custar, arte na Amazônia”, conta a atriz.

Silvana também destacou a equipe do filme. “Fui recebida por uma equipe super acolhedora que me deu uma segurança tão grande que, independente do resultado, faríamos um filme autêntico e íntegro. Das experiências que eu vou me agradecer sempre por ter me permitido”, declara.

“É uma jornada muito longa. A gente cresce, aprende e sofre no processo. Mas ao chegar ao final do filme, a sensação é de cumprimento de todas as etapas. Tive uma professora que falava ‘o diretor-roteirista é aquele que sobrevive do começo da ideia até o momento final de finalização do filme que vai sair para a projeção’. Aí o filme já não é mais meu, não é mais da equipe, o filme agora é do mundo, porque cada pessoa vai poder interpretar do jeito que bem entender, de acordo com seu repertório, com sua bagagem”, comemora o diretor.

SINOPSE

No extremo Norte do Brasil, Gilberto está desempregado e seu vizinho Riba o convida para "puxar" gasolina da Venezuela. O negócio parece rentável, mas a família de Gilberto pressente o pior.

Ficha Técnica:
Direção e roteiro: Thiago Briglia
Direção de fotografia: João Lima e Jorge Macêdo
Direção de arte: Irmânio Sarmento
Direção de produção: Gersika Nascimento
Edição: Benjamin Mast
Finalização: Câmera Pró Films
Mixagem: Estúdio Parixara
Arte Gráfica: Lennon Uriel

Thiago Chaves Briglia – Thiago Chaves Briglia, 33 anos, é formado em Direção Cinematográfica pela Academia Internacional de Cinema de São Paulo e em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal de Roraima.

Estreou no cinema com os documentários "Nas trilhas de Makunaima" (2007) e “Roraimeira - expressão amazônica" (2009), com prêmios do Programa DocTV Brasil, que possibilitou a exibição dos filmes nas TVs Cultura, Brasil e Sesc TV, em âmbito nacional.

Foi agente do Projeto Cinema BR em Movimento da Petrobrás (2004) e facilitador das Conferências de Cultura em Roraima (2009). Dirigiu diversos curtas, com destaque para "Desfronteira" (2010), selecionado pelo projeto “Por que a gente é assim?” e exibido no Canal Brasil e Canal Futura; e para a ficção “Insólito”(2011), que rendeu o prêmio de melhor ator para Ulysses Ferraz, no Filmworks Film Festival SP (2012).

Atualmente está a frente da empresa Platô Filmes, produtora audiovisual especializada em filmes de ficção, documentários e institucionais. Leciona as disciplinas de Cinema, Tv e produção audiovisual no curso de Publicidade e propaganda do Centro Universitário Estácio da Amazônia. Diretor geral e roteirista do curta–metragem “Fronteira em Combustão”, projeto contemplado pelo Amazônia Cultural 2013.

MOSTRA

É um evento cultural que ocorrerá de 15 a 17 de junho, com o objetivo fazer circular filmes autorais e independentes produzidos nos estados da Amazônia. Nesta edição, serão apresentados curtas de cineastas dos estados do Amazonas, Acre, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima que são exibidos em cineclubes, mostras alternativas, universidades, comunidades, internet e outros circuitos em constante construção. A Mostra de Cinema Universitário: Saberes Amazônicos é um dos projetos aprovados no edital de seleção pública de patrocínio do Banco da Amazônia (BASA), edição 2016.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas