Política
 
Hiran Gonçalves assume presidência da Subcomissão de Saúde da Câmara dos Deputados
Para Hiran Gonçalves, um dos principais problemas enfren­ta­dos pelo setor da saúde é o do financiamento
 
Por - Redação I 02/06/2016 - 09:30 -
———————————————————————————————————————————
Fotos: Divulgação
O deputado disse que a ideia é coordenar uma série de debates sobre os temas para consolidar proposições con­cre­tas que serão apresentadas à
Com o propósito de trabalhar quatro eixos: financiamento da gestão do SUS, acesso aos serviços em saúde, prevenção e promoção de direi­tos, o deputado Hiran Gonçalves (PP/RR) assumiu nesta quarta-feira (1º), a presidência da Subcomissão Permanente de Saúde. Esta subcomissão é ligada à Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), da qual o parlamentar é o primeiro vice-presidente. A ideia, segundo ele, é coordenar uma série de debates sobre os temas para consolidar proposições con­cre­tas que serão apresentadas à sociedade.

“Vamos abordar temas importantes da saúde no Brasil e que foram discutidos na Comissão de Seguridade”, afirmou o parlamentar, ressaltando que o plano de trabalho não foi deci­do somente por ele. “Espero que ao final dos trabalhos possamos formular propostas que venham ao encontro dos anseios da população brasi­leira pois, do jeito que está a saúde pública, não pode continuar”, afirmou.

Para Hiran Gonçalves, um dos principais gargalos enfren­ta­dos pelo setor da saúde é o do financiamento. “Temos um subfinan­ciamento gravíssimo do SUS. Os valores pagos a procedimentos médicos não condizem a com atuação do profissional, como por exemplo, uma consulta no valor de R$ 10,00”, criticou.

Outro problema está relacionado a demora do atendimento e das grandes filas nos hospitais. “Como médico oftalmologista, tento explicar a situação aos meus pacientes. O setor público não tem con­di­ções de atender todo mundo e as entidades credenciadas também. Muitas vezes, acabam por restringir o atendi­mento ou até se descredenciarem, uma vez que o que se paga pelo serviço não cobre o custo dos insumos. No caso da oftalmologia, não é diferente, pois em uma opera­ção delicada de cata­rata, em que se usa lente intraocular, fio de sutura e todos os insumos, o cirurgião ganha aproximadamente R$ 150,00, enquanto uma consulta médica normal custa R$ 300,00. Um absurdo”, protestou.

O presidente da Subcomissão Permanente de Saúde acredita o que o sistema de saúde vivencia uma total falência do financiamento. Para ele, a solução passa pela conscientização do novo governo em investir em seto­res fundamentais como a saúde, educação e segurança. “Precisamos fazer com que esse novo governo se compro­meta em concretizar os devidos ajustes na economia e que priorize essas áreas estraté­gicas, pois são os principais anseios da população”, argumentou.

Para o deputado Hiran Gonçalves, o governo passado colaborou com a desestruturação tanto da saúde, quanto de outros setores, o que ele considera um estímulo à delinquência no Brasil, ao desrespeito a princípios constitucionais de direi­to à propriedade. “Acho que o novo governo precisa resgatar esses valores, e nós esta­mos fazendo isso na questão da saúde aqui na Comissão de Seguridade”, enfatizou.

Um exemplo de que o governo Temer está no caminho certo, de acordo com o parlamentar, é que o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP/PR), está tendo boa vontade nesse início de gestão. “Barros é uma pessoal totalmente preparada para gerir a pasta. Acredito que ele fará um grande trabalho, com o nosso apoio no Ministério da Saúde”.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas