Política
 
Justiça determina suspensão de verbas indenizatórias da Câmara de Boa Vista
Conforme a sentença, a presidência do Legislativo Municipal deve suspender imediatamente o pagamento das verbas indenizatórias, verba de gabinete e retribuição por acúmulo de exercício de função
 
Por - Redação I 05/11/2015 - 14:23 -
———————————————————————————————————————————
Fotos: Divulgação
O presidente da Câmara, Edilberto Veras informou que está analisando o teor da decisão para tomar as medidas cabíveis
A Justiça acolheu o pedido do Ministério Público do Estado de Roraima e determinou que o presidente da Câmara Municipal de Boa Vista se abstenha de efetuar o pagamento de verbas indenizatórias pelo exercício parlamentar, de gabinete e de retribuição por acumulação de função legislativa superior aos vereadores.

Conforme a sentença, proferida pelo juízo da 1ª Vara da Fazenda Pública no último dia 21/10, a presidência do Legislativo Municipal deve suspender imediatamente o pagamento das verbas indenizatórias, verba de gabinete e retribuição por acúmulo de exercício de função legislativa superior, sob pena de multa de diária e pessoal na pessoa do presidente da Câmara Municipal de Boa Vista, no valor de R$ 50 mil.

Ainda de acordo com a sentença, as Resoluções 186/2014, 187/2013 e 190/2015 da CMBV – atos que normatizaram o recebimento das respectivas verbas por parte dos vereadores – são ilegais e, portanto, inconstitucionais, representando uma afronta aos dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal, o que as tornam nulas.

A ação do MPRR foi ajuizada em março deste ano e à época, segundo o MPE foi comprovado nas investigações conduzidas pela Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público que um vereador do município de Boa Vista custava aos cofres públicos R$ 86.627,00 por mês.

“O exagerado aumento da verba indenizatória, sem a devida justificativa, seja de caráter administrativo, seja de caráter orçamentário, viola o princípio constitucional da moralidade e da impessoalidade”, relata um dos trechos da sentença.

O artigo 37 da Constituição Federal preconiza que a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios deverá obedecer aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, sob pena de responsabilização civil ou criminal, dependendo do caso.

O promotor de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, Hevandro Cerutti, afirma que decisão que atendeu o pedido do MPRR foi acertada. “Os atos que regulamentavam estas verbas feriam os princípios constitucionais, principalmente o da moralidade, além de violarem a supremacia do interesse público sobre o interesse particular”, destaca o promotor de Justiça. Da sentença ainda cabe recurso.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

Ajuizada em 31 março de 2015 contra a Câmara e a Prefeitura Municipal de Boa Vista, a ação civil pública com pedido de liminar foi motivada após comprovação de aumento abusivo de verbas indenizatórias e de gabinete do legislativo, bem como aprovação ilegal de diversas resoluções para que fosse possível promover o aumento no salário dos vereadores.

Outra irregularidade refere-se ao aumento no orçamento previsto pela Câmara Municipal de Boa Vista que consignava o valor de R$ 24 milhões, no entanto, o legislativo fez uma emenda à referida proposta com o objetivo de aumentar em quase R$ 10 milhões o orçamento anual da Casa.
A ação tramita na 1ª Vara da Fazenda Pública, sob o número 0808083-04.2015.8.23.0010.

CÂMARA

A Câmara Municipal de Boa Vista enviou nota informando que adota o padrão de gestão do Legislativo Brasileiro e que atua dentro do princípio da legalidade e em respeito à Constituição Brasileira.

Desde o mês de Janeiro de 2013 os vereadores de Boa Vista recebem como subsídio R$ 10.012,50, valor que está abaixo do percentual autorizado pela Constituição Federal que é de 60% do subsídio do deputado estadual e diferente do valor de 12 mil reais noticiado.

Importante salientar que a gratificação por Retribuição de Acumulação de Função Legislativa Superior foi revogada por meio da Resolução 196/2015, ainda em abril de 2015, não sendo verdadeira a afirmação de que seu valor foi fixado em 9 mil reais.

A Câmara Municipal de Boa Vista segue o que é praticado pelo Congresso Nacional, as Assembleias Legislativas Estaduais e demais Câmara Municipais que prevê a instituição das verbas de gabinete e indenizatória.

Mais importante esclarecer que a verba de gabinete, hoje limitada em 20 reais, é amparada por normas que seguem resoluções legislativas e sua contratação segue os trâmites legais e modelos como ocorrem no Senado Federal, Câmara Federal, Assembleias Legislativas e demais Câmaras Municipais de todo o Brasil, não tendo o parlamentar acesso ao salário de seus servidores em momento algum.

A verba indenizatória limitada a 14 mil reais desde de maio de 2015 é utilizada para pagamento de todas as despesas inerentes a atividade parlamentar.

Informamos ainda que os valores das Verbas de Gabinete e Indenizatória adotados pela atual gestão da Câmara de Boa Vista estão abaixo dos praticados pelas gestões anteriores.

Em relação a recente decisão judicial, o presidente desta Casa Legislativa foi notificado oficialmente nesta última quarta-feira (04) após a realização da sessão plenária e a Mesa Diretora está analisando o teor da decisão para tomar as medidas cabíveis.

Reforçamos o compromisso da Câmara Municipal de Boa Vista em respeitar os demais poderes e sua atuação dentro dos princípios que regem a Administração Pública agindo de forma transparente com a sociedade de Boa Vista.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas