Cotidiano
 
Homem é condenado a 10 anos por tráfico de drogas e corrupção de menores
Euclides Mangabeira foi denunciado em 2014 pela Promotoria de Justiça de Pacaraima
 
Por - Redação I 31/10/2015 - 13:54 -
———————————————————————————————————————————
Denúncia protocolada pelo Ministério Público do Estado de Roraima em setembro de 2014 resultou na condenação de Euclides da Costa Mangabeira a 10 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado. O réu cumprirá pena em razão dos crimes de tráfico de drogas e corrupção de menores. A decisão foi proferida no último dia 21 de outubro, pelo juízo da Comarca de Pacaraima.

Euclides Mangabeira foi denunciado em 2014 pela Promotoria de Justiça de Pacaraima. Ele foi preso em flagrante delito, à época na companhia de seu irmão menor de 14 anos, quando estavam de posse de uma mochila com mais de quatro quilos de maconha.

Conforme a sentença, os elementos apresentados pelo MPRR na denúncia comprovaram os crimes de corrupção de menores e tráfico de drogas, contrariando o que determina o artigo 244-B do Estatuto da Criança e do Adolescente e a Lei 11.343/06, que estabelece normas para repressão ao porte e tráfico de drogas.

O ECA prevê como crime "corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 anos, com ele praticando infração penal ou induzindo-o a praticá-la", sob pena de reclusão de até 4 anos.

ENTENDA O CASO

Em setembro de 2014, Euclides Mangabeira e seu irmão foram flagrados por policiais militares na comunidade de São João do Galo, no município de Uiramutã. Ao serem abordados, disseram à polícia que droga seria encaminhada para Boa Vista, mais especificamente para o bairro Francisco Caetano Filho, conhecido como "Beiral".

Em seu depoimento, Euclides confessou que faria a ´dolagem´ (preparo da droga para venda) e venderia cada´trouxinha´ por R$ 10,00, lucrando cerca R$ 4 mil com a comercialização do entorpecente.

Para o Promotor de Justiça de Pacaraima, que também abrange o município do Uiramutã, Diego Oquendo, a apreensão de quantidade significativa de droga é preocupante.

"É importante ressaltar que o Ministério Público está presente em todos os municípios e a repressão a esses delitos têm sido uma prática frequente das Promotorias de Justiça no interior do Estado. A parceria entre o Ministério Público, as polícias e demais instituições fortalece o combate ao crime", pontua o promotor.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas