Cotidiano
 
Instituições se unem para combater a estiagem
Aproximadamente 35 bombeiros já estão em campo e hoje, estão deslocando pelo menos mais 40 militares para atuar na prevenção de combate à incêndios
 
Por - Redação I 14/02/2015 - 20:30 -
———————————————————————————————————————————
Fotos: Claudinei Sampaio
Defesa Civil e Seapa se reuniram para definir as ações de combate a estiagem no interior do Estado
O secretário executivo da Defesa Civil, coronel Cleudiomar Ferreira e o subcomandante do Corpo de Bombeiros, Francisco José Maia Fidelis se reuniram na manhã deste sábado (14), com o titular da Seapa (Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Hipérion Oliveira e o adjunto João Paulo, para definirem as ações da operação de combate à estiagem.

“A partir de hoje, vamos começar os trabalhos nos municípios onde já foi decretado situação de emergência, que são: Amajarí, Alto Alegre, Iracema e Mucajaí. Já nos reunimos com responsáveis por empresas que serão contratadas para a escavação e revitalização dos bebedouros nos locais, onde já estão com falta de água para o rebanho. Estamos trabalhando em regime de emergência”, disse informou o coronel.

Ele explicou que nessas localidades já têm equipes de militares do Corpo de Bombeiros, que são as bases avançadas, que estão atuando nas possíveis frentes de combate à incêndio e que também vão atuar junto com os técnicos da Seapa no levantamento de produtores que vão precisar de bebedouros e também na construção dos cacimbões.

“Temos bases montadas em Campos Novos, Rouxinho, Alto Alegre, Amajari e no Cantá, fazendo contato com os produtores rurais, principalmente, com as associações dos produtores rurais”, comentou.

Ele também afirmou que ainda não existe um incêndio em andamento. Segundo ele, não há uma linha de fogo na floresta, há registro de focos de calor, mas que não existem focos fora de controle.

Ele explicou ainda que, alguns produtores estão realizando o calendário de queimadas, por isso, há registro de focos durante esse período. “Rorainópolis, por exemplo, iniciou o calendário de queimadas, na última quinta-feira, dia 12, a partir do momento que se inicia o calendário de queimadas, o produtor tem até 15 dias para realiza-lo sob controle”, disse, e adiantou que os focos que aparecem nas imagens de satélite são os que já estão autorizados pela Femarh (Fundação Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos). Ele adiantou que aproximadamente 35 bombeiros já estão em campo e que, hoje, estão deslocando pelo menos mais 40 militares para atuar na prevenção de combate à incêndios e para resposta às escavações de bebedouros.

Foi feito um levantamento prévio para verificarem a necessidade, principalmente, no que se refere à necessidade de decretação de situação de emergência. “Vamos orientar os produtores rurais dos municípios em que já foi decretada a situação de emergência, que o calendário de queima está suspenso por conta do agravamento do período de estiagem para que não realizem queimadas sem autorização e sem antes consultar às bases que estão instaladas naqueles municípios”.

O secretário Hipérion Oliveira explicou que ainda estão sendo definidos quais são os órgãos que vão trabalhar no desenvolvimento das ações contra a estiagem. “Existem comunidades indígenas e até vilas que já estão com falta de água para o consumo. Nessas localidades o abastecimento será feito por caminhões pipas. Esse trabalho será realizado pela Caer [Companhia de Águas e Esgotos de Roraima] e pela Defesa Civil”, informou.

Outro problema é a falta de água para os animais em pequenas, médias e grandes propriedades. Nessas localidades, técnicos da Seapa e uma equipe da Defesa Civil estão identificando quais são as propriedades por município. “Hoje, estamos iniciando as ações. Máquinas estão sendo deslocadas para essas regiões em situação de emergência para efetivamente começarmos esse serviço de atendimento essencial”, destacou.

Com relação aos incêndios florestais, o secretário disse que a Defesa Civil e Corpo de Bombeiros estão focados por conta do inicio do calendário das queimadas. “A Secretaria e a Defesa Civil estão orientando os produtores rurais, para qualquer incêndio que saia do controle, a gente esteja lá, para fazer o controle”, formou, dizendo que. o Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis) junto com outros órgão federais vão também fazer essas ações nas comunidades indígenas.

O secretário ressaltou que os municípios de Pacaraima, Uiramutã, Normandia, Bonfim, Cantá e Caracaraí, também já estão passando por dificuldades. “Nos próximos dias, a governadora Suely Campos deverá incluir esses municípios no decreto de situação de emergência”, adiantou.

 
 
 

 

 

Imprimir Enviar Corrigir Tamanho: A+ a-




Notícias relacionadas